Menu Fechar

Organização pessoal

Viva,

Long time no see! Verdade, tenho ido mais ao Instagram, Twitter e Facebook, do que tenho vindo aqui. Mea culpa. Tenho imensos projectos em mente e uns quantos em mãos… fica difícil priorizar. A situação é-lhe familiar?

Mas cá estou e hoje é o dia #30 do Projecto 31 Dias de Organização em Casa.

Para além da organização dos espaços óbvios das nossas casas, escrevi sobre organização nos papéis, no computador, no carro, na mala e até no telemóvel, mas existem outros dois espaços que não queria deixar de fora neste projecto. Por estranho que possa parecer, são estes: as nossas finanças e a nossa mente.

E como um dos motivos para ter atrasado este artigo foi o facto deste tópico ser vastíssimo, vou apenas indicar aquilo que me parecem excelentes dicas que andam por aí, em vez de dissertar sobre as mesmas.

As finanças

A frugalidade está na moda, é certo, mas dá também muito jeito nos tempos que correm. Não só porque pode ajudar a equilibrar as nossas finanças, mas também por ser melhor para a nossa saúde ao reduzir a quantidade de químicos que colocamos no nosso organismo (ou na rede pública) ou de alimentos processados que ingerimos. Ainda assim o meu lema é: tudo com peso e medida.

Se lhe atrai a ideia, pode espreitar nos links abaixo uma série de ideias fáceis e baratas para fazer em casa:
produtos de beleza e higiene pessoal;
produtos de limpeza e cuidados da casa;
produtos para cuidar dos nossos amigos de 4 patas;
– e para cuidar da nossa saúde.

Estes são pins que tenho reunido no Pinterest, mas com certeza que existem muitos mais. Agradeço as suas partilhas. 😉

Para além desta possibilidade de redução (imensa) de gastos do orçamento, podemos optar pelas marcas brancas e poupar à volta de 50% na factura final. Podemos ainda aproveitar aqueles produtos com desconto devido à aproximação do prazo de validade (sempre que faça sentido) ou “caçar” vales de desconto e campanhas para aqueles produtos que mais consumimos.

A Catarina do Tralhas Grátis partilha imensa informação valiosa neste sentido. E pode ainda encontrar mais links úteis aqui.

Ainda nesta secção, podemos aproveitar os sites de compras em conjunto como o Groupon.pt, onde comprar pode sair muito mais barato. O meu conselho é o mesmo do que para as (antigas) “casas dos 300”: é comprar aquilo que compraria de outra forma e não comprar apenas porque é mais barato. Assim poupa a dobrar!

É claro que antes de comprar podemos ver se pode ser feito e se vale a pena fazê-lo (pelo gozo que dá e o $ que se poupa), assim como aquilo que podemos reciclar ou reutilizar. Existem ideias fantásticas por aí fora para reaproveitar tudo e mais alguma coisa. Não digo para acumularmos os materiais para que um dia os possamos usar – seria contraproducente!- , mas para aproveitarmos aqueles que precisamos e podemos utilizar num curto prazo de tempo.

Podemos ainda cortar nas despesas ao fazermos mais comida em casa, especialmente se a fizermos a partir do zero, ou seja, cozer os grãos ou fazer os molhos em vez de comprarmos feito e embalado. Podia ser mais  rápido, mas teria custos acrescidos nas nossas finanças e na nossa saúde. E se nos organizarmos bem, podemos fazer render o tempo e tirar mais proveito do frigorífico e congelador ao “produzirmos em série”.

Nos últimos tempos, tenho experimentado cozinhar maiores porções para congelar e o tempo que despendo é mais ou menos o mesmo. Pessoalmente não uso menus, até porque a minha sogra (que vive connosco) cozinha mais do que eu, mas pode ser uma boa opção para aproveitar melhor os alimentos que tem em casa e não correr a ir buscar coisas ao supermercado – o que resulta sempre em comprar algo mais do que aquilo que estava na lista!

E por falar nisso, usar uma lista de compras ajuda imenso a não ter de voltar mais vezes, assim como a restringir as compras às necessidades.

Para utilizar melhor o que tenho em casa e antes dos prazos de validade chegarem ao fim, tenho feito inventários da despensa, frigorífico e congelador. Atesto a sua funcionalidade e eficácia!

Como exemplo, só nesta imagem, num momento de final de tarde, existem 3 produtos que podemos fazer em casa e poupar imenso: o chai, o creme de chocolate para barrar e o leite de soja.

Para além destas dicas e escolhas mais eficazes, podemos ainda analisar as despesas que fazemos mensalmente e terminar aquelas que já não fazem sentido, canalizando esse dinheiro para outras coisas que possamos querer ou para dívidas que possam existir. Um site com imensas dicas é o The Budget Diet. Vale a pena espreitar e ler alguns artigos.

Com a nossa mente não é muito diferente.

A mente

Tal como lá fora, cá dentro vamos acumulando “lixo”, coisas que já não são mais necessárias, por vezes emoções tóxicas. E para quê? Apenas “entulham” o nosso espaço e trazem desconforto, mesmo que em segundo plano.

São exemplo daquilo que exerce peso sobre nós e o nosso bem-estar:
– as tarefas inacabadas;
– memórias do passado que, de uma forma ou de outra, agarramos com unhas e dentes;
– objectivos traçados um dia e que nunca alcançámos;
– o poder que atribuímos a palavras e acções dos outros.

De vez em quando precisamos de limpar o nosso filtro (tal como limpamos o do nosso aspirador), precisamos libertar a poeira, o lixo, deixar ir, deitar fora. Precisamos de analisar se aqueles objectivos ainda fazem sentido de acordo com a pessoa que somos hoje e aquilo que pretendemos hoje na nossa vida.
Aquilo que já não faz sentido: fora!

Como fazê-lo? Com algumas coisas é mais fácil, com outras mais difícil; tal como na nossa casa!

Podemos imaginar que o fazemos quando andamos a limpar a casa, colocando para o saco do lixo tudo aquilo que já não nos serve. Podemos varrer as preocupações e ansiedades desnecessárias. Podemos criar espaço para o novo, sendo que algumas coisas/emoções/memórias podem teimar em querer sair de dentro do saco. Nesse momento, volte a pensar naquilo que pretende ver na sua vida, deixando bem claro o seu novo objectivo quanto àquilo, seja o que aquilo for. E persista.

Para organizarmos a nossa casa, precisamos de criar novos hábitos; o mesmo se aplica à nossa mente. E para criarmos um novo hábito, é necessário treino, treino e mais treino. Mas se exercitar, com persistência, todos os dias, a cada oportunidade que possa surgir, garanto que não precisa de muito tempo para começar a fazer as coisas da forma que pretende, de uma forma mais natural e sem necessitar de esforço.

Algo que também ajuda a sacudir o pó ao filtro é reservar um momento no seu dia para o seu bem-estar. Que tal 30 minutos para fazer algo por si? Seja tomar um banho ou fazer uma caminhada. Não tem? Talvez levantando meia hora mais cedo?

Cada um sabe do seu horário e agenda e certamente nem todas as soluções servem para todos. Aquilo que sugiro é que analise os seus e experimente algo novo! Quem sabe não lhe serve?

Mas se se decidiu a fazê-lo, e pode reservar-se esse tempo, durante o mesmo não é para pensar naquilo que podia ou devia estar a fazer e sim para desfrutar do seu momento!

Como organiza a sua “carteira”? E a sua mente?  Se não tem estado a acompanhar esta série de dicas de organização, pode ver a lista de todos os espaços já cobertos, até à data, neste link.

Beijos doces e luminosos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

eight − three =